Publicado em Deixe um comentário

Audiodescrição das Coisas

Fotografia aproximada de alguns produtos de consumo identificados com qrcode de audiodescrição. Da esquerda pra a direita, uma plaquinha escrito Cinema Cego, gordices e delícias acompanhada de uma caixinha pequena de suco de uva, suco de manga, um toddynho, um pote de geleia, pote de milho de pipoca e garrafa de vidro com suco de uva.
Produtos de consumo do nosso escritório identificados com qrcode de AD para que nossos parceiros com deficiência visual possam ter autonomia na escolha do que consumir.

A audiodescrição é um recurso de acessibilidade que possibilita a qualquer pessoa ouvinte enxergar pelos ouvidos. Pode ser definida como um recurso de acessibilidade comunicacional que traduz o visual em verbal. É através da informação sonora transmitida pela audiodescrição que as pessoas com deficiência visual podem ter acesso à forma e conteúdo de tudo que é visual.

Este recurso de acessibilidade foi originalmente criado com o objetivo de tornar cinema e teatro acessíveis às pessoas cegas mas não se restringe as artes. E o motivo é muito óbvio. Não é apenas no cinema e teatro que as informações visuais são importantes.

Você já parou para pensar como uma pessoa cega escolhe as coisas que usa em sua vida diária? Desde o creme dental, o shampoo, a camiseta preta com estampa do Seu Madruga ou aquele batom rosa nude favorito?

Apesar de bem simples, isso ainda não é uma realidade. As pessoas cegas continuam sendo ignoradas. Seja no ramo farmacêutico, alimentício ou do vestuário, todos esses produtos que a gente utiliza diariamente continuam invisíveis para os milhões de brasileiros com deficiência visual.

Como resolver?

Nós, da Cinema Cego, criamos o conceito de AD DAS COISAS para preencher essa lacuna e trazer mais independência e autonomia para às pessoas cegas. Praticamente todos os produtos comercializáveis hoje em dia vêm com um qrcode na embalagem. Esse qrcode, ao ser lido pelo celular, pode trazer as principais informações do produto. Se for uma peça de roupa, por exemplo, é importante saber o modelo, o tamanho, a cor e a marca. Se for um remédio, o qrcode pode trazer o nome do remédio, formulação, a bula e o modo de usar. Se for um batom, saber a cor, se é cremoso ou mate pode fazer muita diferença. Ou seja, cada produto tem uma abordagem diferente.

Não basta colocar um qrcode que dá acesso a um site com jogos interativos e blá-blá-blá (como acontece com a maioria dos produtos que já tem qrcode na embalagem)! É preciso disponibilizar as informações que sejam realmente relevantes, para que a pessoa cega tenha respeitado o seu direito de escolha com total autonomia.

Algo tão simples de ser implementado e que pode fazer tanta diferença e trazer autonomia às pessoas cegas. Se você tem um negócio e vende produtos, pense nisso e mostre o que você tem de bom para todas essas pessoas.

Se precisar de ajuda, conte com a gente. Nós podemos te ajudar!

Publicado em Deixe um comentário

Audiodescrição Pedagógica

Turmas inclusivas já fazem parte da realidade de muitas escolas brasileiras. É de fundamental importância que os educadores estejam preparados para que nenhum aluno seja excluído do seu direito de aprender.

As imagens são fundamentais no processo de ensino e aprendizagem. Para a inclusão de alunos com deficiência visual (cegueira ou baixa visão), é indispensável que a audiodescrição (AD) esteja presente na rotina escolar.

A grande maioria dos professores revela que se sente inseguro ao receber um aluno com necessidades educacionais específicas em sala de aula. E infelizmente o que acontece, na maioria das vezes, é que esses alunos acabam sendo excluídos de muitas atividades.

Em sala de aula as imagens são utilizadas a todo momento, seja na forma de um mapa, uma fotografia, uma obra de arte, um gráfico, a feira de ciências ou alguma apresentação teatral, cheia de gestos e expressões corporais.

​Em termos de pedagogia, a AD pode ser uma ferramenta dinâmica que facilita o envolvimento e potencializa a aprendizagem de todos os alunos, independente de sua condição visual, atuando como uma faceta do Design Inclusivo. Neste contexto, o objetivo da AD será fornecer conhecimento através da imagem. Esse trabalho ajuda os alunos a construírem um pensamento crítico sobre o mundo imagético que eles têm acesso dentro e fora da sala de aula.

O primeiro passo para começar a se familiarizar com essa nova forma de ensinar, é construir o hábito de verbalizar tudo o que se faz (gestos e expressões faciais/corporais) e escreve na lousa (palavras, desenhos ou gráficos).

Se for projetar uma imagem, descreva como é essa imagem e o que ela representa. Fez um desenho na lousa? Descreva-o também!

As imagens geralmente são utilizadas para complementar algum assunto falado. É de fundamental importância que os alunos que não enxergam também compreendam o sentido de sua utilização.

Além de incluir os alunos com deficiência visual, possibilitando que estes tenham acesso ao conteúdo visual trabalhado durante as aulas, a AD também atua como potencializadora da aprendizagem dos demais alunos. A descrição detalhada dos elementos visuais presentes na sala de aula, revela detalhes que certamente passariam despercebidos.

Tenha tudo isso em mente quando fizer o seu plano de aula. Se precisar de ajuda nesse processo, conte com agente!;-)